Imagem de: poloniatur.com.br

Imagem de: poloniatur.com.br

Minha mãe esteve em uma escola de Santa Rosa (RS) para falar um pouco sobre a etnia polonesa, a história dos imigrantes e a da Polônia. Além de fazer parte do grupo que representa a cultura aqui na região, a Braspol, ela sempre foi apaixonada pelo assunto e é a coisa que mais ama falar, sem dúvidas.

Quando tivemos oportunidade, ela me contou sobre como foi lá na escola, mostrou os bilhetinhos que recebeu da garotada e as fotos. Também mostrou um pedaço de papel com um pequeno discurso que escreveu “para não esquecer de dizer a eles”.

Resolvi replicá-lo aqui porque achei muito bonita a atitude de não apenas exaltar a cultura de uma etnia, mas a de falar da diversidade humana, evidenciando que essa consciência pode ser um bom caminho para a PAZ (em caixa alta, como ela mesma escreveu em seu papel).

Com a devida autorização, o discurso:

“No planeta Terra, só existe uma raça: a raça humana. Com suas diferenças de crença, de cultura, de cor. Quanto mais nós conhecermos essas diferenças, mais nós compreendemos nossos semelhantes. Abrir o coração e a mente para o conhecimento é um caminho para a PAZ e a aceitação. Estudar as etnias é conhecer o outro e compreender suas virtudes e suas deficiências”.

Sofia Bobrzyk
A seu pedido, vou colocar uma lenda escrita no livro “Polônia”, de Ivan Godoy (presente que dei a ela). Aí vai a lenda, tal qual está no livro (página 09):
“No sul da Polônia, servindo de fronteira natural com a Eslováquia, ficam os Montes Tatra, os mais altos da Europa Central. Os turistas que visitam a cidade de Zakopane, a capital polonesa do inverno, costumam subir até o cume de uma montanha chamada Gubalówka e de lá ter uma visão deslumbrante da cordilheira. Um dos montes chama a atenção pela sua forma: o Giewont. Não é preciso ter muita imaginação para ver o rosto de um cavaleiro medieval, deitado e olhando para a eternidade.
Diz a lenda que o rei Boleslau I, o bravo, levou seus cavaleiros até uma profunda caverna no Monte Giewont. Lá eles adormeceram e permanecem até hoje, com seus cavalos, armaduras, espadas e lanças. Se a Polônia estiver em perigo, alguém deve ir até lá e acordá-los. E de novo cavalgarão contra os inimigos, defendendo a liberdade dos poloneses”.
Fique muito orgulhosa, mamis!! #arrasou <3 <3
Se você gostou, compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on Pinterest

Comments

comments